Qualquer ser humano que tenha um mínimo de interesse em cinema sabe o que é o Oscar? Pode não entender os critérios e a importância exata do prêmio, porém com certeza já se pegou brincando de ganhar a estatueta com um controle remoto na mão, uma taça, ou até mesmo com o punho fechado embaixo do chuveiro. Ensaiar a surpresa da nomeação: Oh, my God… Inventar o discurso: quero agradecer a minha família que tanto me apoiou… Fingir a expressão do momento: thank you very much…

Apresentadores do Oscar 2011: James Franco e Anne Hathawai.

Por mais que existam outras premiações cinematográficas, mesmo não sendo a mais justa, o Oscar continua sendo a mais valorizada, é um fascínio midiático e imutável.
Neste ano, pude assistir de antemão aos dez filmes indicados na categoria principal e de cada um deles fiz uma crítica, caso você não seja parente da cigarra, é só baixar a página e poderá lê-las.

Com um cardápio mais variado que o do McDonald’s, coisa que não é difícil de conseguir, os filmes vão desde animação com Toys que falam até biografia de Ri que não consegue falar. No meio desse sanduíche temos ainda tomates frescos para as Mães, pimenta para os homens de Bravura e uma carne de Cisne regada por um molho de Origem francesa. É o tipo de prato para ser degustado por Horas, cercado pela vida Social e de preferência durante o Inverno. Receita de Vencedor.

Os indicados a melhor filme.

Quem tem TV a Cabo poderá se sentar a partir das 22:00 horas e se deliciar com o programa. Quem não tem, toma um Gardenal para não entrar em crise na espera de terminar o Fantástico (como se realmente fosse) e também o Big Brother Brasil, sim o chá de cadeira para os cinéfilos de poder aquisitivo menor será grande. Que antítese, não?

Lá pelas 23:30, José Wilker e Maria Beltrão aparecerão com as mesmas caras constrangidas de sempre ao ter que informar os trocentos prêmios que já saíram antes da respeitável Globo, que não tem respeito por ninguém, transmitir a festa em definitivo.

Voltando aos filmes em pauta, pressinto que “A Rede Social” vai ganhar mais usuários do que estatuetas. Gostaria muito que o Rei fosse desbancado pelo plebeu de um braço só, não que eu seja fã do James Franco, mas a sua atuação naquelas Horas em que fiquei completamente tomado, impressionado, foi uma das mais cativantes dos últimos tempos.

Caso a Natalie Portman não ganhe o Oscar, que ela possa tomar um banho de pipoca muito do bem tomado, pois outro papel como esse vai demorar uns aninhos aí para ela pegar. Sorte dela que Nicole já tem o seu, pois apesar de “Reencontrando a Felicidade” ser quase que desconhecido, a atuação dela está bem convincente, acima do que o botox lhe permitira nos últimos trabalhos.

O duro é o inexorável quase em que se encontra “Minhas Mães e Meu Pi”, quase que a Anette é a melhor, quase que o Mark é o melhor, com tantos quases, o filme deveria ao menos levar o de melhor roteiro original, apesar que nesta categoria “A Origem” tem o sonho de ganhar. Bem, em todo o caso, o sonho se tornará realidade em algumas indicações técnicas. Aposto um real de Big Big em Efeitos Visuais.

Em melhor ator e atriz coadjuvantes, os VENCEDORES, por merecimento e favoritismo, não poderiam ser outros além de Christian Bale e Melissa Leo, mas como tudo é possível, seria uma zebra suportável se Ruffalo levasse.

Façam suas apostas.

Falando em zebra, que “Inverno da Alma” não esteja com expectativas, afinal de contas já saíram no lucro. Mesmo com um tema enxuto e interessante, a história da Maria do Bairro americana não é fenômeno, espero que fiquem apenas com as indicações, nem adianta apelar para a Virgenzinha de Guadalupe.

A produção da Pixar, não é brinquedo não, hein…”Toy Store” é muito mais do que as crianças com óculos 3D podem captar, torço para que ganhe como melhor animação e deve ganhar, usando a lógica, pois se está na categoria principal, porque não ganharia a secundária? Dois mais dois é quatro.

De resto, Iñarritú mais uma vez deve ser novamente a vítima do sadismo da academia, infelizmente. No máximo, três ou quatro surpresas de tirar o fôlego, “A Fita Branca” que o diga.

Muito laquê, muitas lágrimas, vestidos… E ao desligar a TV fique à vontade para fingir com o controle remoto que ganhou o Oscar.


Categorias: Cinema, Crônicas, Oscar

Deixe seu comentário

Este artigo não possui comentários