Dizem que a única certeza absoluta é a morte, porém agem como se houvessem duas: a morte e o casamento. Recentemente, o mundo parou para assistir a esses dois acontecimentos distintos. Por mais que todos soubessem que um dia Bin Laden iria bater as botas, ninguém conteve a alegria e soltaram rojões, reação bastante atípica diante algo tão trágico. Foi a primeira vez que não elogiaram o morto por mais ruim que fosse em vida.

A cerimônia de casamento do Príncipe Willian e da plebeia Kate, que de plebe só tem mesmo o estigma sensacionalista da mídia, também foi acompanhado com grande interesse pelo ocidente capitalista, fascinado pelo mito da monarquia remanescente.

Ninguém quer morrer, antes ele do que eu… Porém todos querem casar e quem diz que não é porque já está ciente de que nunca poderá dizer sim, seja por não haver encontrado a pessoa certa, ou por medo de que a situação piore ainda mais. Qual a cor da maquiagem do despeito? Pregação da autosuficiência.

Os motivos para querer são dos mais variáveis aos menos justificáveis. O motivo universal, básico e clichê é o amor. Balela de doméstica. Tem gente que casa por dinheiro, por desespero, por paixão passageira. Assim como existem pessoas que transam para trabalhar, há também os que casam para transar. Em Romanos, Paulo não me deixa mentir.

Infinidade de possibilidades. Para mostrar, disfarçar, engravidar… E como virou moda, tem os que vão para o altar somente para depois divorciar. Continuamos bons amigos. É coisa do inimigo.

Banalizou, vulgarizou. Não foi apenas Bin Laden que morreu, o matrimônio já descansa em paz. Mais morto que a educação no Brasil. Vamos nos juntar. Amigar. Concubinar. Na sua casa ou na minha? Cada um fica na sua.

Melhor do que isso é curtir, deixar como está. Pensamento mentiroso, na verdade todos querem amar, o problema é que o danado do amor, ao contrário do que tentam aludir, não chega para todos. É difícil acreditar. Ninguém quer aceitar que a morte vem seja de barco, trem ou avião, enquanto que o amor pode ter desistido da viagem e deixado você na mão. Inseminação.

A esperança é a última que morre, os filmes românticos mantém o doente respirando, os amigos amparando e a mãe rezando. Porém depois de tanto boi e tanta boiada, machadadas e algumas vacas é preciso pensar na eutanásia. Matar ou continuar à espera? Escolha de Sofia. Alguns preferem pagar o preço do hospital, outros prefere o descanso, largar o sofrimento das expectativas, aquelas malditas palhaças que nunca dão em nada. Conformação.

Sendo assim é melhor aceitar que a felicidade não depende de dois, mecanismo de defesa individual. Casar não é sinônimo de amar, mas lá vão os noivos de aliança, ali vão os solteirões procurando, ninguém quer aceitar que o amor não virá. Quem pode julgar? Para os conformados o que vier é lucro, caso venha. Frustração.

Kate casou com um príncipe, enquanto que muitas não encontram sequer um sapo. Não garanto que foi por amor, mas se assim o foi, palmas. Mais uma escolhida. Emoção. Osama matou muita gente e agora morreu, o problema é que o terrorismo continuará bem mais vivo que o casamento. Lamentação.


Categorias: Crônicas

Deixe seu comentário

  1. maraResponder

    Amei Uzi..estava com saudades de ler teus textos…muito boa…parabéns!!!

  2. laurenResponder

    genteeee que drama!! você destruiu meus castelos de areia!! Kkkkkkkkkkk mais tudo bem a verdade foi dita da forma mais sincera e hilária possível!!!chorei de rir aqui! o fato é que como vc bem pontuou ‘sapos’ também estão entrando em extinção ai fica difícil né uzi?? mais tudo bem…agente investe na eutanásia!! kkkk como sempre muito bom! parabéns!!

  3. M.G.CunhaResponder

    Pense numa crônica perfeita!!! Sou admiradora de uma boa crônica; e, essa é sem comentário…. parabéns, amigo!! Por usar tão bem as palavras e fazer referências pertinentes, embora trágicas. Mas, ainda sonho kkkk

  4. <b>Claudielson</b>Responder

    kkk
    Massa velho!!! Parabéns pela produção!!
    É um texto delicioso, jovem e inteligente!!!