O roteiro da adaptação “Duelo” e de outras peças está disponível em nossa loja no Facebook. Compre o e-book: “Peças para Apresentar na Escola” a e o receba por e-mail, contendo instruções para a montagem teatral, além de consultoria particular com o autor. Acesse a loja clicando aqui.

Já adaptei “Dom Casmurro” de forma inusitada e também o conto “Trio em Lá Menor”, ambos de Machado de Assis. Nestes dois casos, fi-lo mantendo apenas a ideia original, tanto que a primeira se chamou “Amor de Machado” e a outra “Dó Ré Mi Solidão“, ambas já foram postadas aqui no blog, é só clicar.

Das minhas adaptações fiéis, a que mais gosto é “Duelo”, baseada no conto de mesmo nome de João Guimarães Rosa, faz parte do livro “Sagarana”, segundo titulo mais famoso do autor depois de “Grande Sertão: Veredas”

A história narra um adultério que acabou em morte e dessa morte se origina o tal duelo.

Cartaz da peça.

Mudando apenas a geografia do sertão de Minas Gerais para o sertão da Bahia devido ao sotaque, já que para mim seria mais fácil ensinar os atores a falar “baianês” do que “mineirês” e trocando algumas situações que seriam inviáveis para mostrar no teatro, tal como a barca que na peça virou pousada, a adaptação foi muito bem sucedida.

A escrita de Guimarães não é das mais fáceis, então a produção teatral ajuda o leitor a entender melhor o mundo do autor, mas não faço adaptações apenas por isto, o objetivo principal é entreter independente do roteiro ser adaptado ou original.

Personagens foram mantidos e diálogos foram copiados diretamente do livro. A trilha sonora escolhida caiu como uma luva, vai de Elba Ramalho a Shakira, isso mesmo, nem precisa torcer o nariz, foi tudo muito bem casado.

Eu fiz o papel de Cassiano que perde o irmão após se envolver com Silvana (interpretada magistralmente por Cristina), mulher casada com Turíbio (vivido por Thiago, ator iniciante, paulista da gema que teve que aprender o sotaque baiano “na tora”). Destaco a participação de João, o interprete de Timpim, personagem que aparece quase no fim da trama, mas que consegue roubar a atenção para si, ainda mais sendo vivido por um ator tão talentoso.

Assistam a peça começando pela abertura embalada pela música “Borboletas”, de Zé Ramalho:

Espero que tenham gostado e ajudado para que o conto não seja um fardo, caso o tenha que ler para fazer vestibular. A literatura é mais divertida do que parece.


Categorias: Adaptação, Peças Culturais, teatro, Teatro hallos, Vídeos

Deixe seu comentário

    • Uziel MoreiraResponder

      Obrigado, Renan. Seja sempre bem-vindo aqui no blog.

  1. Uziel SantosResponder

    Obrigado, Renan. Seja sempre bem-vindo aqui no blog, meu caro.

  2. LeticiaResponder

    Gostaria de informações para efetuar a compra deste roteiro..