Na década de 90, Laura Pausini já cantava sobre a solidão. Marco se ha marchado para no volver, o trem da manhã voltou sem ele e ela voltou a reclamar daquilo que possivelmente reclamava antes de conhecê-lo. É normal vê solteiros maldizendo o domingo na companhia de Faustão, chorando ao travesseiro na falta de outro corpo presente e até mesmo desejando alguém para ligar no final da tarde. Porém se fala pouco da solidão coletiva, daquela em que se sente o sofrimento de estar sozinho mesmo estando namorando.

Solteiro ou não, a solidão pode doer como um osso numa noite de inverno na Rússia, é preciso ter cuidado para ela não chegar à Prúsia. Chorar em baixo do choveiro ouvindo Pausini é como atestar o fim da picada medular.

De que vale um amor para recordar se a solitária dor de osso só passa com o aquecimento recíproco do coração? Amor platônico só aumenta a solidão. All by my self. Migalha de atenção não serve para quem tem fome de afeto em amplidão. O solitário vai na balada, busca no Badoo, desespera-se em algum chat, como é chato. A namorada mal amada ensaia terminar, analisa as opções, reclama da relação, fica na indecisão em oficializar ou não a tremenda solidão. Nem sempre dá para colorir o sol com o beijo no céu da boca.

Enquanto uns e outros se enganam com um corpo morto, os solitários de carteira reservista batem continência para o dramalhão mexicano à espera do último capitulo, no qual provavelmente conhecerão o amor da sua vida durante o casamento do casal protagonista. Haja paciência, unha para roer e chocolate para derreter. Fondue sem você, viajar e não te ver. Sábado sem sair, Zorra Total é de chorar e depois um filme triste para terminar de matar. Por eso esperame cariño mío… Geladeira para conservar ilusão. Já estamos frios, empedrados, pés gelados. Próxima parada: Alaska. Encontrei uma companhia, mas não era como eu queria, lascou-se. Caso tenha coragem volte a tentar, mas se a covardia reinar continue com a pseudo-alegria. Rei de mentirinha. Solitário no palácio.

O osso volta a doer quando menos se espera, não é com o primeiro doutorzinho que tudo melhora, há um longo caminho, muitos nem sequer consegue chegar, o assento ao lado segue vazio. Paisagens românticas pela janela do metrô de Paris, ninguém para compartilhar, outros fazem atrapalhar, onde está a parte que completa o sonho da junção perfeita? Sumiu, quebrou, morreu. Eu te amo entrou em desuso devido a falta de receptor e merecedor.

Quizás si tú piensas en mí? Com certeza não, solidão é algo individual. Se pensasse ou amasse na mesma proporção não haveria crise. Quando dois querem, nenhum se sente sozinho.

A fórmula do remédio certo é complicada de encontrar, os genéricos podem tapiar por um tempo, porém causa sérios efeitos colaterais. No tengo ganas de estudiar. Inquietude, insônia, insegurança. A solidão volta com força total se extendendo por todo o esqueleto. Cabeça na parede, lágrimas no rosto e coração na mão. Depressão. La Soledad…



Categorias: Crônicas

Deixe seu comentário

Este artigo não possui comentários