Bem-vindos a mais um “Entrevista na Alfândega”. Na edição passada conhecemos um pouco sobre o Iêmen a partir do olhar de Evelyn Priscila, a única brasileira a viver no país, segundo relatório da embaixada na Arábia Saudita.  Nesta edição, continuaremos a explorar o mundo árabe, precisamente, o emirado mais famoso, Dubai. Como diria Glória Maria: “É um luxo”.

Nossa entrevistada de hoje é Bárbara Borba. Ela é jovem, apenas 26 anos recém-completados, bonita e bem casada. Em sua lista de viagens estão lugares exóticos como Indonésia, Maldivas, Arábia Saudita, Turquia, entre outros. Tão enfática quanto à própria Dubai, Bárbara trabalha como guia de turismo e hoje irá dividir um pouco do seu conhecimento sobre este impressionante lugar, além de ser obrigada a se revelar como pessoa, afinal, uma entrevista sem perguntas indiscretas não me interessa.

Bárbara Borba em Dubai.

Uzi Por Aí: Preparada, Bárbara? (Risos). Bom, antes de qualquer coisa, quero te agradecer por você ter aceitado participar do “Entrevista na Alfândega” e contar como é viver em Dubai, essa cidade que é o sonho de consumo de muitos viajantes. A primeira pergunta então é a seguinte: o que lhe levou a Dubai foi o amor, a dor, o espírito aventureiro…? Como cargas d’água você foi parar aí?

Bárbara Borba: Primeiramente, eu que agradeço pelo convite de dividir um pouco, além da minha história, sobre este lugar único. O que me trouxe a Dubai foi o emprego do meu esposo, ele é piloto de uma cia aérea daqui. E o que me levou a ser guia foi o amor por este Emirado, decidi que queria compartilhar com os turistas o que nós como residentes temos.

UPA: Uma pergunta meio ingênua de minha parte: quais são exatamente os serviços prestados por você como guia? De que nacionalidade é a maioria dos turistas que você atende? Há alguma nacionalidade que você goste mais de atender e alguma outra que você não goste muito?

BB: Em Dubai sou freelancer, isso me dá o poder de escolha de como e com quem irei trabalhar, além de prestar serviços para as melhores empresas do mercado árabe também presto serviços privados.

Os meus serviços prestados como guia abrangem muito mais do que os tradicionais serviços. Além de guiar pela cidade mostrando e explicando onde e o que estamos a ver, também dou consultoria de onde se hospedar, quando vir, o que fazer, onde jantar,almoçar, passear, o que está acontecendo de eventos na cidade e os famosos descontos que nós como residentes temos acesso e repasso aos meus clientes. Os serviços que presto vão além de Dubai, ele abrange os 7 Emirados, entre eles o segundo mais famoso, Abu Dhabi.

Atendo exclusivamente BRASILEIROS, pois não existe nada melhor do que o nosso povo.
Mas quero deixar frisado que o que eu faço é uma forma de dividir com outras pessoas o AMOR que sinto por este lugar incrível, que faço o que eu amo, com muito carinho, atenção e dedicação.

Grupo de brasileiros em Dubai.

UPA: É verdade ou é mito que para ser turista em Dubai precisa ser rico? Quais dicas você daria para quem estiver pensando em passar uns dias em Dubai sem ter que gastar rios de dinheiro?

BB: MITO! Te digo por quê. Dubai tem pra todos os gostos, culturas e principalmente bolsos, temos o Burj Al Arab , que é o hotel considerado mais luxuoso do mundo e entre os 10 mais caros começando com U$ 2.000 dólares a diária. Porém temos do outro lado da avenida principal de Dubai hotéis mais baratos e com fácil acesso ao shopping por U$100,00 dólares a diária. E por ai vai. Tudo com opções de acessíveis e luxuosos. Onde mais uma vez entra o meu serviço de consultoria, você irá programar todos os gastos. Sem ter surpresas! A dica mais preciosa é localização, ficar no centro da cidade, onde tudo acontece, onde tudo fica 10,15 minutos de taxi (lembrando que é barato pegar taxi).

UPA: Bom saber. Agora vamos partir um pouco para o lado pessoal. Como você imaginaria sua vida hoje, caso nunca tivesse saído do Brasil?

BB: Nossa, boa pergunta… Rsrs. Eu me casei nova, com 21 anos. E sai da casa dos meus pais, sem muita experiência e sem muita maturidade. Nosso destino foi Arábia Saudita!!!

Imagino que se eu não tivesse saído do Brasil, ainda não estaria pronta como mulher.
Amadureci muito por morar longe, cresci muito por viajar o mundo, conheci muitas pessoas e culturas que me abriu a cabeça, a enxergar o mundo de uma forma diferente. Se eu estivesse ficado no Brasil com certeza estaria trabalhando com o meu pai nos negócios da família.

UPA: E por falar em família, a sua aceitou bem esse seu distanciamento geográfico? E como você lida com esta situação de estar longe das pessoas que ama?

BB: Meus pais são pessoas abençoadas, sempre me apoiaram e me ajudaram a lidar com a saudade. A forma que encontrei foi ir mais ao Brasil e trazê-los para cá também. Além da internet que ajuda e muito.

Bárbara com seus pais no maior tapete persa do mundo.

UPA: Muita gente acha que viajar é sinônimo do verbo fugir. Concorda? Você já usou alguma de suas viagens para fugir de algum problema? Funcionou?

BB: CONCORDO!  Já viajei pra fugir da saudade, já viajei pra fugir do cansaço e viajo pra fugir da mesmice. E funciona,como funciona!

UPA: Como você separa seu lado de moradora de Dubai do seu lado turista? É possível separar as duas coisas? O que eu quero perguntar é: você já se acostumou com as paisagens, os pontos turísticos ou ainda possui o deslumbre de estrangeiro?

BB: Impossível se acostumar com Dubai, pois sempre tem novidades, mudanças, coisas lindas! Me sinto ainda assim TURISTA, pois sempre fico alegre de visitar os lugares, sempre vejo de um modo diferente, acho algum detalhe que não havia percebido antes. ACHO FANTÁSTICO! Por isso que quis ser guia, pra dividir esses momentos.

Arquitetura majestosa.

UPA: Certamente deve ser um cenário tão impressionante que renova a emoção o tempo todo. Mas e dos outros países que você conheceu, do qual gostou mais e porquê?

BB: Eu e meu marido viajamos sempre que possível, tive a oportunidade de conhecer alguns lugares incríveis, mas escolher apenas um?! Cada lugar tem a sua particularidade, histórias, praias… Mas vamos lá, Indonésia – Bali. Ficamos 15 dias e não repetimos praticamente nada. Um lugar com visuais de tirar o fôlego, praias paradisíacas. E com um povo muito receptivo, feliz, e não cobram um absurdo geralmente.

Bárbara e seu marido na marinha de Dubai.

UPA: Apesar de tantas coisas boas, nem tudo no mundo é um mar de rosas, não é? Qual foi o maior perrengue que enfrentou vivendo no exterior ou até mesmo passeando? Já passou por alguma situação que te deixou com vontade de sentar na calçada, colocar a mão na cabeça e chorar?

BB: Acredito que no inicio foi o idioma, por mais que o oficial seja árabe, o mais falado é o inglês. E eu como gosto de ter a minha independência pra ir e vir sem ter que incomodar ninguém (no caso o meu marido…), me senti um pouco limitada por não falar a língua. Mas nada que com esforço e boa vontade não se supere. Hoje depois de 3 anos aqui morando me viro super bem e com isso tive a oportunidade de me formar e ser guia.

UPA: E qual é a diferença mais incômoda entre o mundo árabe e o ocidente?

BB: Aprendi que tudo é questão de costume, hábito, cultura, tradição, família, religião… Aprendi a respeitar e entender o por quê. Pois tudo tem uma razão. Então hoje no momento não me vem nada a cabeça.

Bate-volta, Jogo Rápido

De burca com sua mãe.

Adolescência: Floripa

Vida de casada: Cumplicidade

Lua-de-mel dos sonhos: Cruzeiro do Mediterrâneo.

Uma saudade: Família

Roma ou Londres? Os dois. Londres foi onde reencontrei meu marido depois de 3 meses sem vê-lo e tivemos nossa Lua de mel. (No mesmo dia que casamos ele foi para a Arábia Saudita…) E Roma já fomos duas vezes comemorar nosso aniversário de casamento. NÃO CONSIGO ESCOLHER SÓ UM! SORRY!

Trem ou avião? Avião!

PT ou PSDB? CANSADA DE CORRUPÇÃO!

Brasil: Povo MARAVILHOSO, porém o país em si tem que melhorar.

E para terminar, o que diria para a Bárbara Borba de cinco anos atrás?
Querida, Deus tem um plano maior e melhor pra tua vida. Tudo o que você sonha hoje e deseja irá se realizar muito antes do que você imagina.

UPA: Depois dessas fotos e de seu discurso, eu diria para você tomar um banho de pipoca porque até o apresentador (que sou eu) está com inveja. Brincadeiras à parte, você tem uma vida incrível e faço votos de que Deus continue te abençoando. Pelo que pude perceber, você alcançou importantes realizações ainda muito nova e de certa forma responde a essa dádiva através de seu trabalho, no qual compartilha com o próximo informações úteis que trarão a eles segurança, comodidade e até mesmo felicidade se levarmos em conta que uma viagem bem aproveitada é uma fonte inesgotável de bem estar.

Bárbara, meus parabéns pelo ser humano que você nos revelou aqui. E a você que leu esta entrevista, não hesite em comentar, perguntar, sugestionar… Até o próximo programa, no qual contaremos com a presença de uma brasileira que trabalha e estuda em Buenos Aires. Ciao!

Bárbara feliz!

Categorias: Entrevista na Alfândega

Deixe seu comentário

  1. Martins NArcizoResponder

    adorei! i love it! sinal que realmente és uma pessoa correta e pessoas corretas merecem esta oportunidade de ser feliz mesmo!

    • Uziel MoreiraResponder

      Concordo com você, Martins. Não conheço a Bárbara pessoalmente, mas pela entrevista que ela me deu, percebe-se que ela é uma pessoa correta e merecedora.

  2. Uziel SantosResponder

    Concordo com você, Martins. Não conheço a Bárbara pessoalmente, mas pela entrevista que ela me deu, percebe-se que ela é uma pessoa correta e merecedora.

  3. Malu BenitesResponder

    Assistindo uma apresentação no Programa Mulheres sobre a cidade de Dubai, Sempre fico enchanted, acho essa cidade fascinante, e, sendo detalhada por uma brasileira melhor ainda. Parabéns a essa GUIAs de turismo, Barbara. Ela mora na cidade que eu amaria conhecerrrrrrr. Abracos Malu