Olá. Está começando mais um “Entrevista na Alfândega” e nesta edição não farei perguntas, isto porque a convidada desse mês irá apenas desabafar.

Munique Fernandes mora na Alemanha há 5 anos. Baiana, casada com um português e conhecida pelos amigos por não ter papas na língua. Hoje ela irá nos falar com toda sinceridade o que acha de viver no exterior. A palavra é sua.

Munique Fernandes: Quanto mais tempo moro na Europa, mas percebo como as pessoas aí no Brasil não tem a menor ideia de como é a vida da gente por aqui. Em geral, todo mundo pensa que morar na Europa é sinônimo de ganhar na loteria. A vida aqui não é nada fácil como se pensa, a começar pela necessidade de se adaptar a uma cultura totalmente diferente da brasileira e aprender um idioma que nem de longe lembra sua língua materna. Mas cada um sabe a dor e a delicia de viver por aqui….. E aqui vão algumas.

 1- Adoro a segurança. Poder ir e voltar de casa sem aquele medo de ser roubado é algo realmente sem preço. Entrar numa rua escura teclando num celular de última geração sem medo de que alguém diga “perdeu”, passear com meu cachorro à noite no parque sem medo de estar sendo perseguida… Óbvio que existem pessoas ruins aqui também, mas nem se compara a proporção de violência nos outros países.

2- Adoro poder ser eu mesma. Muitas empresas aqui pedem currículos SEM FOTO para que a pessoa não seja discriminada pela aparência antes de ter suas competências analisadas. Claaaaro que também existe preconceitos e olhares tortos, mas ninguém te condena porque você está vestindo terno boss ou roupa barata… Se você mora num bairro rico ou pobre, e aqui qualquer pessoa é aceita em qualquer lugar, sem esse falso moralismo do Brasil de excluir as pessoas por aparência. Afinal, “Julgar” é pecado.

 3- Adoro as quatro estações. É lindo ver as folhas amarelando e caindo e de repente as árvores estão secas… E vem aquele frio que congela a alma… E literalmente isso acontece. As pessoas se tornam frias e cansadas… Mas eu amo isso (risos). E fico olhando a previsão ansiosa. Estou esperando cair a neve…… Tudo fica branquinho. O Gino (cachorro) ama sair para brincar enquanto eu congelo e daí vem a primavera e as pessoas começam a desabrochar com as flores… É como se disséssemos ao levantar de manhã numa preguiça: “Oh, hoje está um lindo dia e esse dia tem apenas 9 graus”. E tudo fica florido, os coelhinhos brincam nos jardins, vamos aquecendo, os dias também e pronto, é verão! E lá vamos nós aos parques… Fazer churrasquinho… Tomar sol… Fazer piqueniques até às 22h porque ainda está tudo claro e isso é lindo e inocente.

 4- Privacidade: as pessoas aqui geralmente não estão nem aí pro que você faz ou deixa de fazer. Ao contrário do Brasil, quando os vizinhos são capazes de ficar acordados só pra ver a hora que você chega em casa, além de ficarem no Facebook observando sua vida para criticar. Sim, isso é possível (risos). Eu conheço os meus vizinhos de “oi”, “bom dia” e nada mais. E acho isso ótimoooooo.

 5- Multi-culturalismo: ouvir e conviver com pessoas de todo mundo e perceber que o mundo é enorme e o que pode ser diferente pra mim não é para o outro. Provar novos sabores e ouvir e aprender nem que seja um pouco aqui e outro ali de vários idiomas. Hoje mesmo me virei no inglês, falei italiano, espanhol, português e também alemão (risos).

Bom essas são algumas coisas que lembro. Claro que bate saudade do Brasil, mas a cada dia que passa eu vou me adaptando e trabalhando, estudando e tentando… Porque a vida aqui não é um mar de rosas, mas também não é tão ruim assim.
Eu gosto de tudo que tenho aprendido. E me faz amadurecer!

Uzi Por Aí: E eu gostei de tudo o que você falou. Numa próxima oportunidade, quero você de volta para ser entrevistada no modo tradicional. Até a próxima edição.


Categorias: Alemanha, Entrevista na Alfândega

Deixe seu comentário

  1. AnonymousResponder

    Oi uziel…obrigada pela oportunidade de expor as minhas ideias
    Espero sim um proximo convite.
    Bjooo

  2. Uziel SantosResponder

    Eu é que agradeço. E com certeza, haverá outro convite. São muitas histórias. Beijos.

  3. AnonymousResponder

    Realmente, é isso mesmo 🙂 Viver na Europa é tão bom .

  4. Rodrigo FreyreResponder

    kd a parte ruim ? O.o
    a parte ruim não chega ser nem 1% do artigo

  5. AnonymousResponder

    e a parte ruim?? faltou um pouco de realidade nisso ai como a descriminação por ser de fora e outras coisas

  6. AnonymousResponder

    Muito legal a matéria

  7. AnonymousResponder

    então, e a parte “ruim”? Aprender uma língua nova é o pior que pode acontecer? Que sofrimento hein!..rs…
    Sério, você não disse nada de ruim aos nossos olhos brazucas.

  8. AninhaaResponder

    e a minha vontade de conhecer a Alemanha só aumenta….

  9. AnonymousResponder

    Só vi vantagens!!!!!!!!!!!!!!

  10. AnonymousResponder

    Adorei!!!! Mto legal!!!!

  11. O observadorResponder

    Morei 8 anos na UE e casei-me com uma portuguesa. Hj moramos no Brasil, mas que saudade daí. Lembrei-me que estranhei no meu primeiro verão ver o pessoal estendido na grama dos parques no verão igual “calangos” tomando sol. Depois do 1º inverno lá estava eu no verão seguinte deitado ao sol. Qualidade de vida é o diferencial da UE e Brasil Mas devo lembrar que 1 em cada da 10 que “faz a vida” o resto leva uma vida normal(o que já não é mal).