Faz exatamente um ano que comecei a entrevistar viajantes e imigrantes aqui no blog. A maioria dos entrevistados éde desconhecidos que achei pela internet, ou que vi apenas uma vez no meio de alguma viagem. Nesta edição, no entanto, é com muita satisfação que entrevisto uma leitora assídua do blog, que me lê lá do Canadá.

Ilsa Oliveira é uma mineira de 54 anos. Antes administradora de empresas, hoje trabalha como terapeuta em Montreal, onde reside há 8 anos. Casada, culta e muita viajada, Ilsa nos falará um pouco da sua vida, dos lugares pelos quais passou e espero que nos dê também uns conselhos terapêuticos.

 Uzi Por Aí: Oi, Ilsa, eu quero dizer que ter você como leitora, é prova de que o blog tem uma audiência qualificada, o que me deixa muito feliz. Obrigado também por ter aceitado me dar essa entrevista. Bom, você morou em muitos lugares, tanto no Brasil, quanto no exterior. E a pergunta é: por quê? O período de “vida cigana” que você teve foi sempre por conta do seu trabalho anterior, que lhe exigia isso, ou você também se mudava por gostar?

Ilsa Oliveira: Obrigada pelo elogio da audiência qualificada Uzi, mas é verdade que seu trabalho é muito interessante. Admiro a sua personalidade inovadora. Me tornei sua fã.

Quanto as minhas mudanças, acho que é como uma antiga amiga da faculdade me disse uma vez: “Ilsa, você tem sede de experiência”. É verdade que ia onde o trabalho me levava, mas na maioria das vezes eu provocava a mudança, ou me colocava disponível a ela porque gostava de conhecer coisas novas. O maior tempo que morei na mesma cidade depois dos meus 16 anos foram 5 anos. Agora estou batendo o recorde, faz 8 anos que moro em Montreal.

Finalmente, por que tanta mudança…? Talvez seja também uma busca pelo meu lugar nesse mundo.

UPA:Você tem um histórico fronteiriço entre Estados Unidos e Canadá. E muitos brasileiros migram para um desses dois países. Então eu te pergunto: qual deles é mais fácil de se sentir inserido na sociedade? No seu caso, onde você melhor se encaixou.

IO: Bom, na verdade nunca morei nos Estados Unidos, mas como morei em Vancouver fiz amizades em Seattle onde ia regularmente, pra justamente aprender um pouquinho sobre os americanos.

É claro que os Estados Unidos é muito grande e variado e não posso dizer que conheço nem o país nem os americanos, mas tenho uma ideia da diferença entre Estados Unidos e Canadá. E ainda assim, é uma ideia minha, não quero falar aqui como conhecedora de causa. Mas enfim, particularmente eu acho que se inserir na sociedade americana é mais fácil em termos profissionais e mais difícil em termos sociais. Penso assim porque acho que os americanos têm um ritmo rápido, uma certa ousadia mais próxima da nossa. Por outro lado, são mais conservadores em termos de costumes morais e mais frios nas relações interpessoais que a gente. 

O canadense é mais tranquilo, menos atirado, eu acho. O que, no inicio me dava a sensação de viver em câmera lenta e até hoje me deixa impaciente, frustrada. Mas, em contra partida, especialmente aqui no estado do Quebec, possuem uma cultura mais europeia, o que se aproxima mais da nossa maneira de viver. 

Eu sempre me senti bem nos Estados Unidos, mas só estive lá passeando. Mas se faço uma comparação entre Vancouver, que é mais parecido com a cultura americana nessa questão dos costumes e relações interpessoais, prefiro viver em Montreal, acho aqui mais fácil de me inserir socialmente, me sinto mais em casa aqui.

Em San Francisco, Califórnia.

UPA: Interessante. Acho que você deu aí um panorama bastante útil. Agora, indo um pouco para sua vida profissional, como terapeuta, você atende alguns brasileiros que estão no Canadá para estudo, trabalho, etc. Do que eles geralmente reclamam nessa mudança de país? Quero dizer, quais são os conflitos psicológicos recorrentes que um imigrante passa e o que você aconselha, como você trabalha esses pontos?

IO:Ah, essa é uma pergunta muito complexa. Não acredito que darei uma resposta satisfatória. Mas vamos lá. Meus clientes são de  idades variadas, veem de todo canto do Brasil, estão aqui por um período determinado ou pra sempre, estão sozinhos ou com suas famílias. São histórias completamente distintas, às vezes os conflitos são mais pesados na vida profissional, outras vezes na vida afetiva. 

Mas acredito que em geral, é muito normal uma certa “perda de identidade”  num processo de imigração. É como se a gente mudasse pra um outro planeta, onde temos de nos adaptar física e emocionalmente. É quase como aprender viver dentro de um novo corpo, numa nova atmosfera, onde as pessoas funcionam e pensam completamente diferente daquelas do nosso antigo planeta. Penso então que tudo isso desencadeia na vida da pessoa dúvidas e incômodos sobre assuntos e sentimentos que ela nunca havia percebido ou dado importância. É como se a pessoa se sentisse perdida e esta numa busca de si mesma, precisa de uma reorganização de quem ela é na sua essência. 

É claro, que na maioria das vezes ela chega na terapia por uma razão aparentemente bem mais clara e precisa (saudades, dificuldade no campo profissional, crise conjugal, stress, sentimento de solidão, etc), mas a terapia é uma evolução pessoal, e vai conduzi-la a se conhecer com mais profundidade, a descobrir o que está por trás do sentimento de desconforto, de stress, de tristeza… Quero dizer, vou trabalhar ajudando essa pessoa a reconstruir sua vida dentro do respeito de seus próprios desejos e limites, recuperando o poder sobre sua vida e seu bem estar.

UPA: Uau! Sua resposta foi muito satisfatória, fiquei até com vontade de fazer terapia com você. (Risos). Mas bom… Montreal e Vancouver, provavelmente, são as cidades mais conhecidas do Canadá pelos brasileiros. Você já morou em ambas, então pode nos dizer com conhecimento de causa. Qual a mais bonita, ou a melhor, para passar uma temporada de 3 meses ou até mesmo morar?

OI: A mais bonita é sem dúvida Vancouver. Montreal, a não ser que a pessoa queira conhecer o inverno ou o outono, não tem nada de muito especial pra ver, pois o especial de Montreal acredito que está no lado cultural, o fato de ser uma cidade um pouco europeia, onde se fala francês, no meio da América do Norte. 

Então para uma temporada de 3 meses talvez a beleza de Vancouver valha mais. Porém para morar, depende de cada um. Já ouvi a expressão de que Vancouver é uma cidade maravilhosa, mas sem alma. Talvez pessoas mais emocionais vão encontrar um certo aconchego maior em Montreal. Costumo dizer que Vancouver é o Rio de Janeiro, Montreal é Belo Horizonte e Toronto é São Paulo.

Montreal.

UPA: Dê-nos algumas dicas turísticas imperdíveis em Montreal.

OI: Andar pelo Vieux Montréal. Visitar a cidade de Quebec. Visitar a pequena cidade de St-Sauveur. Conhecer Otawa, capital do país, que fica a duas horas de carro. E se puder escolher venha à Montreal no Outono. Pra min, as cores do Outono é a coisa mais linda que existe nesse estado. Se quiser ver um inverno pra ninguem botar defeito é lindo também.

Cor do outono.
Outono em Montreal.

UPA: Por opção, você deixou um emprego administrativo para trabalhar como terapeuta, e todo o mundo sabe que a área de humanas dá menos dinheiro. Você foi muito criticada por isso? E eu tô te perguntando, porque eu percebo que aqui no Brasil, as pessoas ainda não veem o estudo como fim em si mesmo. Como se o conhecimento só tivesse valor se houver retorno financeiro.

OI: Na verdade a decisão foi se desenvolvendo em conjunto com os acontecimentos da vida e com o tempo. Quero dizer, não dormi administradora e acordei terapeuta. Digo isso, no sentido de que tive tempo pra refletir sobre o que, no mais intimo do meu ser, me satisfaria e me seria conveniente nessa ultima etapa profissional da minha vida. Quanto a ser criticada, acho que talvez eu esteja muito velha pra isso. As pessoas não perdem tempo comigo.  

Mas falando sério, não julgo aqueles que pensam no retorno financeiro antes de meter a cara nos estudos indefinidamente, pois é duro ganhar a vida. Acho que dar prioridade ao conhecimento antes do dinheiro é característica da personalidade de quem esta escolhendo fazer isso. Penso que é essa a razão das críticas, pois não é um tipo de personalidade dominante em nossas sociedades capitalistas. E estamos longe, como sociedade, de respeitar e valorizar o outro como ele é. 

Canadá.
Cidade de Quebec.

UPA: Com certeza. É…Você passou 15 dias na Eslovênia. E essa sua viagem me chamou a atenção porque a Eslovênia não é um grande destino turístico. Porque você foi e o que achou de lá?

OI: Tenho amigos dinamarqueses que sempre me falaram o quanto a Eslovênia é um país limpo, de pessoas de bom nível. Eu tinha muita curiosidade de conhecer. Fui pra encontrar um amigo que ia procurar uma casa lá pra comprar, o que me daria a oportunidade de viajar de carro com ele conhecendo o país, enquanto ele procurava a casa.  

Também porque poderíamos ir de carro à Veneza, que fica apenas a duas horas da capital da Eslovênia. E se eu morresse sem ir à Veneza, não iria me conformar do outro lado, tinha medo dessa tristeza eterna. 

UPA: Engraçado que quando eu fui à Veneza, ela não estava no meu roteiro. Decidi de última hora. E você está certa, se eu não tivesse ido, teria sido uma tristeza, porque é um lugar incrível. E dos Estados Unidos, qual é a sua cidade preferida?

OI: Los Angeles. É como passear em cidadezinhas pequenas, lindas, chiques, pitorescas e aconchegantes reunidas dentro de uma cidade grande, movimentada, rápida e bonita.

UPA:Eu defendo a teoria de que quanto mais a gente viaja e mora em lugares diferentes, mais a gente aprende a se realizar sem depender de outras pessoas, afinal, vamos abrindo um leque de interesses, nossa perspectiva de mundo aumenta… Ultimamente, o que é que te deixa realizada, feliz?

OI: Escutando você falar assim, me dá uma vontade de viajar…

Tenho o sentimento bom de que não perdi meu tempo, de que não me arrependo de nada. Mesmo com todas as perdas nas minhas escolhas, gosto do resultado de hoje, gosto da pessoa na qual eu me transformei.

Bate-volta, Jogo Rápido:

Montreal.
Andando no rigoroso inverno de Montreal.

Canadá: Não stress.

Afeto: Meus clientes.

Freud: Pioneirismo.

Carl Rogers: Evolução.

Belo Horizonte ou Porto Alegre? Belo Horizonte.

Dilma, Lula ou FHC? FHC.

Uma viagem que ainda quer fazer: Rússia.

Duas viagens inesquecíveis: Islândia e Ilhas Canárias.

Prato típico preferido: Frango com açafrão.

E para terminar, que conselho daria a alguém que se sente frustrado por viver no Brasil e que não pode sair? Não pare de sonhar. O sonho é o motor do carro.

Uzi Por Aí: É verdade. E como diria Psi: “Quem não sonha, não anda de avião”. (Risos). Ilsa, eu gostei muito de te entrevistar, porque conversando com você fica evidente que a realização pessoal não está no mercantilismo. E também te observando, fica claro o quanto todas essas suas mudanças, viagens, que te obrigaram a conhecer pessoas das mais diversas, foram cruciais para o seu interesse pelo ser humano. Tanto é, que acabou estudando para ser uma profissional em ajudar o próximo a se organizar internamente, na medida em que você mesma se tornava um ser humano melhor.  Parabéns pela sua trajetória, pelo seu trabalho e, mais uma vez, obrigado.

No mês que vem, voltamos com mais uma edição do “Entrevista na Alfândega”. Até lá.

Ilsa Oliveira entre as estátuas de St. John, Estado de Brunswick.

Categorias: Entrevista na Alfândega

Deixe seu comentário

Este artigo não possui comentários