Cinema – Crianças na Guerra – A Viagem de Fanny: Aventura Real

Cinema – Crianças na Guerra – A Viagem de Fanny: Aventura Real

Imagine a seguinte situação: um grupo de crianças tendo que atravessar um país a pé para não morrer. É justamente disto que se trata A Viagem de Fanny, filme francês que conta a história real da personagem título.

Ocupada pela Alemanha e a Itália durante a Segunda Guerra Mundial, a França se tornou, do dia para a noite, um país muito perigoso para os judeus. Com a esperança de salvar os filhos pequenos, casais entregaram seus rebentos aos cuidados de internatos cúmplices na missão de escondê-los.

Mas quando os italianos foram embora do país e os alemães continuaram lá sozinhos – já sabendo que a guerra estava perdida – nenhum judeu estava mais a salvo. A ordem de Hitler era caçar e mandá-los direto para as câmeras de gás. A única esperança de sobrevivência era cruzar a fronteira entre a França e a Suíça, uma das poucas pátrias europeias que os nazistas realmente respeitavam a neutralidade.

No meio de toda confusão que se instalou com a retirada dos italianos, Fanny, de apenas 12 anos, converteu-se sem querer, na líder de um grupo infantil aparentemente destinado à morte. Sem documentos, nenhum adulto por perto e pouco dinheiro, encararam uma verdadeira odisseia para chegar à Suíça sem cair nas mãos dos nazistas.

A saga é tão inacreditável que às vezes parece que estamos vendo um filme de aventura da Sessão da Tarde. Porém não se engane, o perigo narrado aqui é quase palpável. São muitos os momentos em que o coração do espectador vai parar na boca. Mérito da edição e também da direção que conseguiu extrair a tensão devida dos seus atores.

critica filme a viagem de fanny

Por falar no elenco mirim, é preciso destacar o desempenho da protagonista. Nem parece que este é o primeiro trabalho de Léonie Souchaud, pois ela consegue fazer algo muito difícil: ocupar o posto de heroína sem cair no clichê de ser alguém superior aos demais.  Levando em consideração a pouca idade e a inexperiência frente as câmeras, a sua interpretação é positivamente assustadora.

A Viagem de Fanny vale a pena por inúmeros motivos. Não deixa a dever em nada – no âmbito técnico – às produções hollywoodianas, e é ainda melhor no que diz respeito a enredo e decisões artísticas. Inspirador sem ser piegas.

Veja clicando aqui outros artigos da sessão “Crianças na Guerra”.

E se ainda não nos segue no Facebook, deixei seu like para não perder as próximas críticas.

Compartilhe:

Comente via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *